Sabores do Mundo – Estados Unidos

Olá, Sweeties ! Esse último post da primeira temporada do Sabores do Mundo desembarca nos Estados Unidos. A Chilly veio nos contar em detalhes tudo o que ela viu por lá e veio nos mostrar as maravilhas que os E.U.A tem a nos oferecer. Vamos lá?

Chillyno Rockfeller Center

Chillyno Rockfeller Center

Os Estados Unidos da América são uma república constitucional federal, composta por 50 estados e um distrito federal.  Localiza-se  entre os oceanos Pacífico e Atlântico, e faz fronteira, ao norte com o Canadá, e ao sul com o México. É um país que possui geografia e climas bem diversos, apresentando desertos, florestas,montanhas e planícies que abrigam uma grande variedade de espécies.

Chilly no Universal Studios

Chilly no Universal Studios

Do ponto de vista literário, a maior influência dos autores americanos é proveniente da Europa. Nomes como Edgar Allan Poe, Nathaniel Hawthorne e Henry David Thoreau estabeleceram uma voz literária bem distinta durante o século XIX. Obras como Moby Dick, As Aventuras de Huckleberry Finn e The Great Gatsby são fundamentais para o caráter nacional dos E.U.A .

0

 

(Imagem da Internet)

Um pouquinho dos poemas de Edgar Allan Poe pra vocês :

O Corvo

Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,

Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais,
E já quase adormecia, ouvi o que parecia
O som de algúem que batia levemente a meus umbrais.
“Uma visita”, eu me disse, “está batendo a meus umbrais.

É só isto, e nada mais.”

Ah, que bem disso me lembro! Era no frio dezembro,

E o fogo, morrendo negro, urdia sombras desiguais.

Como eu qu’ria a madrugada, toda a noite aos livros dada

P’ra esquecer (em vão!) a amada, hoje entre hostes celestiais –

Essa cujo nome sabem as hostes celestiais,

Mas sem nome aqui jamais!

Como, a tremer frio e frouxo, cada reposteiro roxo

Me incutia, urdia estranhos terrores nunca antes tais!

Mas, a mim mesmo infundido força, eu ia repetindo,

“É uma visita pedindo entrada aqui em meus umbrais;

Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais.

É só isto, e nada mais”.

E, mais forte num instante, já nem tardo ou hesitante,

“Senhor”, eu disse, “ou senhora, decerto me desculpais;

Mas eu ia adormecendo, quando viestes batendo,

Tão levemente batendo, batendo por meus umbrais,

Que mal ouvi…” E abri largos, franqueando-os, meus umbrais.

Noite, noite e nada mais.

A treva enorme fitando, fiquei perdido receando,

Dúbio e tais sonhos sonhando que os ninguém sonhou iguais.

Mas a noite era infinita, a paz profunda e maldita,

E a única palavra dita foi um nome cheio de ais –

Eu o disse, o nome dela, e o eco disse aos meus ais.

Isso só e nada mais.

Para dentro então volvendo, toda a alma em mim ardendo,

Não tardou que ouvisse novo som batendo mais e mais.

“Por certo”, disse eu, “aquela bulha é na minha janela.

Vamos ver o que está nela, e o que são estes sinais.”

Meu coração se distraía pesquisando estes sinais.

“É o vento, e nada mais.”

Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça,

Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais.

Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento,

Mas com ar solene e lento pousou sobre os meus umbrais,

Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais,

Foi, pousou, e nada mais.

E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura

Com o solene decoro de seus ares rituais.

“Tens o aspecto tosquiado”, disse eu, “mas de nobre e ousado,

Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais!

Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais.”

Disse o corvo, “Nunca mais”.

Pasmei de ouvir este raro pássaro falar tão claro,

Inda que pouco sentido tivessem palavras tais.

Mas deve ser concedido que ninguém terá havido

Que uma ave tenha tido pousada nos meus umbrais,

Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre seus umbrais,

Com o nome “Nunca mais”.

Mas o corvo, sobre o busto, nada mais dissera, augusto,

Que essa frase, qual se nela a alma lhe ficasse em ais.

Nem mais voz nem movimento fez, e eu, em meu pensamento

Perdido, murmurei lento, “Amigo, sonhos – mortais

Todos – todos já se foram. Amanhã também te vais”.

Disse o corvo, “Nunca mais”.

A alma súbito movida por frase tão bem cabida,

“Por certo”, disse eu, “são estas vozes usuais,

Aprendeu-as de algum dono, que a desgraça e o abandono

Seguiram até que o entono da alma se quebrou em ais,

E o bordão de desesp’rança de seu canto cheio de ais

Era este “Nunca mais”.

Mas, fazendo inda a ave escura sorrir a minha amargura,

Sentei-me defronte dela, do alvo busto e meus umbrais;

E, enterrado na cadeira, pensei de muita maneira

Que qu’ria esta ave agoureia dos maus tempos ancestrais,

Esta ave negra e agoureira dos maus tempos ancestrais,

Com aquele “Nunca mais”.

Comigo isto discorrendo, mas nem sílaba dizendo

À ave que na minha alma cravava os olhos fatais,

Isto e mais ia cismando, a cabeça reclinando

No veludo onde a luz punha vagas sobras desiguais,

Naquele veludo onde ela, entre as sobras desiguais,

Reclinar-se-á nunca mais!

Fez-se então o ar mais denso, como cheio dum incenso

Que anjos dessem, cujos leves passos soam musicais.

“Maldito!”, a mim disse, “deu-te Deus, por anjos concedeu-te

O esquecimento; valeu-te. Toma-o, esquece, com teus ais,

O nome da que não esqueces, e que faz esses teus ais!”

Disse o corvo, “Nunca mais”.

“Profeta”, disse eu, “profeta – ou demônio ou ave preta!

Fosse diabo ou tempestade quem te trouxe a meus umbrais,

A este luto e este degredo, a esta noite e este segredo,

A esta casa de ância e medo, dize a esta alma a quem atrais

Se há um bálsamo longínquo para esta alma a quem atrais!

Disse o corvo, “Nunca mais”.

“Profeta”, disse eu, “profeta – ou demônio ou ave preta!

Pelo Deus ante quem ambos somos fracos e mortais.

Dize a esta alma entristecida se no Éden de outra vida

Verá essa hoje perdida entre hostes celestiais,

Essa cujo nome sabem as hostes celestiais!”

Disse o corvo, “Nunca mais”.

“Que esse grito nos aparte, ave ou diabo!”, eu disse. “Parte!

Torna á noite e à tempestade! Torna às trevas infernais!

Não deixes pena que ateste a mentira que disseste!

Minha solidão me reste! Tira-te de meus umbrais!

Tira o vulto de meu peito e a sombra de meus umbrais!”

Disse o corvo, “Nunca mais”.

E o corvo, na noite infinda, está ainda, está ainda

No alvo busto de Atena que há por sobre os meus umbrais.

Seu olhar tem a medonha cor de um demônio que sonha,

E a luz lança-lhe a tristonha sombra no chão há mais e mais,

Libertar-se-á… nunca mais!

Chilly na Edgar Allan Poe's House

Chilly na Edgar Allan Poe’s House

Os Estados Unidos não possuem ao certo uma gastronomia própria. A cozinha americana sofreu diversas influências ao longo do tempo,principalmente pelo fato de o país ser o ponto mais procurado por muitos imigrantes. Alguns exemplos são os índios norte-americanos, os cajuns (descendentes dos franceses), os mexicanos e os sulistas.

Chilly no MetlifeStadium

Chilly no MetlifeStadium

Alguns pratos típicos dos Estados Unidos :

Apple Pie : É uma torta doce com recheio cremoso de maçã.

apple pie

(Imagem da Internet)

Brownie : É um bolo de chocolate cremoso, e que pode ser servido morno acompanhado de uma bola de sorvete.

Brownie

(Imagem da Internet)

Baby Back Ribs : São as costelinhas de porco assadas ao  molho barbecue.

Baby back ribs

(Imagem da Internet)

Hot Dog : É composto de uma salsicha em um pão sovado. Inclui-se à ele recheios como picles, molho agridoce, catchup, mostarda, chucrute e chilli.

Hot Dog

(Imagem da Internet)

Waffles : É um prato servido tipicamente no café da manhã. Pode ser servido com bacon e ovos, mel, manteiga, geléia e pasta de amendoim, maple syrup, sorvete, entre outros acompanhamentos.

Waffles

(Imagem da Internet)

Por último e não menos importante, a receita que ensinaremos hoje é um muffin de mirtilo, ideal para comer no café da manhã, ou no final da tarde. Vamos lá?

Muffim de mirtilo

(Imagem da Internet)

Para preparar essa delícia,vamos precisar dos seguintes materiais :

  • Uma forma de muffins de 12 cavidades
  • Colheres medidoras
  • Xícaras medidoras
  • Um bowl grande
  • Um bowl médio
  • Um fouet ou batedor
  • Uma peneira média

Ingredientes dos Muffins de Mirtilo : 

  • 200 gramas de farinha de trigo
  • 140 gramas de mirtilos frescos
  • 1 clara de ovo
  • 1 colher de sopa de óleo de canola
  • 110 ml de leite
  • 2 colheres de sopa de manteiga derretida
  • 2 colheres de chá de fermento em pó
  • 1/4 de colher de chá de sal
  • 100 gramas de açúcar

Modo de preparo dos Muffins :

Pré-aqueça o forno a 200º C. Unte levemente uma forma de muffin com 12 cavidades. Reserve.
Junte 4 colheres de sopa de farinha com os mirtilos. Reserve essa mistura. Em um bowl, bata levemente a clara de ovo e o óleo. Adicione o leite, a manteiga derretida e mexa. Em outro bowl, junte a farinha, o fermento em pó, o sal e o açúcar. Peneire a mistura de ingredientes secos sobre a da clara de ovo. Mexa apenas o suficiente para umedecer a farinha. A massa vai ficar irregular, tendo o cuidado para não mexer muito. Adicione os mirtilos com cuidado. Encha cada cavidade da forma com dois terços da massa. Asse os muffins em forno pré-aquecido por 25 minutos ou até ficarem dourados.

Música Sweetie para se ouvir enquanto cozinha :


Um beijo e até a próxima !

Get ready ‘ cause …

bkg1 - Cópia

Anúncios

Um pensamento sobre “Sabores do Mundo – Estados Unidos

  1. Pingback: Sabores do Mundo – Review | It's Sugar Time!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s